• Todos os artigos
  • /
  • Ações ordinárias e ações preferenciais: quais são as principais diferenças?

Ações ordinárias e ações preferenciais: quais são as principais diferenças?

Última atualização em
10 min de leitura

Existem diversos tipos de ações no mercado financeiro. Temos falado muito sobre os fundos de investimento, o que eles são e como funcionam na prática.

Porém, neste artigo, nós te apresentamos dois novos termos: ações ordinárias e ações preferenciais. Você sabe o que elas são?

Antes de nós começarmos a falar sobre elas, já te adiantamos dizendo que esse tipo de ação é classificado como nominativa. Isso significa que:

Quem possui as ações, os seus detentores, têm o seu nome verificado nos registros das empresa.

Continue a leitura para entender esse conceito e descobrir como essas ações funcionam na prática.

Ações ordinárias (ON)

Bom, vamos começar pelas ações ordinárias. Esse tipo de ação pode ser classificado como ação comum. Ou seja, quando se fala em ação de forma geral, normalmente é a esse tipo que nos referimos.

As ações ordinárias costumam ser identificadas pela inserção do dígito 3 logo após a sigla da empresa. Nós podemos usar como exemplo a PETR3, que é uma ação ordinária nominativa da empresa Petrobras.

Uma das principais características das ações ordinárias é a possibilidade que os seus donos adquirem de votar nas assembleias. Esse direito, no entanto, não costuma ser estendido ao poder de veto.

Além disso, os acionistas que possuem ações ordinárias não são responsabilizados por possíveis dívidas da empresa em que investiu. Isso quer dizer que:

A responsabilidade das dívidas empresariais é destinada aos seus controladores.

É interessante mencionar que a participação em lucros, e também em votos, é medida segundo a quantidade de ações que você possui. Por esse motivo, nós entendemos que essa é uma característica que não beneficia pequenos investidores. Nesse sentido, dizemos que:

Quanto maior for o seu número de ações, mais considerado será o seu voto. O acionista que detém a maior parcela das ações ordinárias de uma empresa, naturalmente, exerce mais controle sobre ela.

Ações preferenciais

As ações preferenciais são aquelas que concedem ao acionista certas preferências. Essa condição de escolha diz respeito ao pagamento dos dividendos, que ocorre através de um mínimo que obrigatoriamente deve ser cumprido.

Essa preferência é mantida, mesmo se a empresa vir à falência ou se houver alguma liquidação por outros acontecimentos. Isso significa que:

Os investidores possuem chances de recuperar o capital investido se alguma eventualidade acontecer com a empresa.

Uma das principais diferenças entre as ações ordinárias e as ações preferencias é que a ação PN (preferencial) concede ao acionista a possibilidade de garantir um dividendo fixo. Porém, essa categoria não permite que o detentor vote na assembleia (ocasião que varia segundo o estatuto emitido pela empresa).

As ações ainda são consideradas como exigíveis. Ou seja:

A empresa pode, a qualquer momento e sob qualquer circunstância, comprar as ações dos seus acionistas. Isso significa que ela tem o direito de comprar uma ação de volta, se assim julgar necessário.

Diferentemente das ações ordinárias, as preferenciais são identificadas pelo dígito 4 junto à sigla da empresa – como em PETR4, uma PN da Petrobrás.

Além disso, as PNs são mais negociáveis em bolsas de valores, o que permite a geração de mais liquidez, ou seja, oportunidades de compra e venda consideravelmente mais ágeis.

Exemplos de Ações Ordinárias (ON)

Aqui nós exemplificamos algumas ações ordinárias. Elas são caracterizadas pelo dígito 3 junto à sigla da empresa:

  • Natura: NATU3
  • Vale: VALE3
  • Petrobras: PETR3
  • Bradesco: BBDC3

Exemplos de Ações Preferenciais (PN)

Já aqui, nós exemplificamos as ações preferenciais, que são reconhecidas pelo dígito 4 junto à sigla da empresa:

  • Vale: VALE4
  • Petrobras: PETR4
  • Bradesco: BBDC4

Quais são as vantagens e desvantagens desses tipos de ações?

Você deve estar perguntando-se: quais vantagens essas ações me proporcionam? Existe alguma desvantagem? Nós estamos aqui para te dizer que sim para ambas perguntas, mas tudo depende do seu perfil de investidor.

Quando se fala em investimentos de longo prazo, nós colocamos as ações ordinárias como a opção mais vantajosa porque o seu lucro tende a ser mais alto (desde que o crescimento do capital financeiro da empresa permita esse retorno).

A Lei das Sociedades Anônimas afirma que grupos minoritários de detentores devem possuir o direito de participar em um tag along. Isso significa que:

Os detentores recebem até 80% do valor que foi pago ao controlador se a empresa for vendida. Essa porcentagem, no entanto, pode chegar a 100%, isso depende do estatuto emitido pela empresa.

Apesar disso, as ações ordinárias apresentam maiores riscos porque:

Se houver uma liquidação, são priorizados os credores e acionistas prioritários. Os acionistas ordinários, sob essa circunstância, são preteridos.

As ações preferenciais, por outro lado, não permitem que o acionista tenha direito ao tag along. Por esse motivo, as PNs são vistas como uma forma de “emprestar capital financeiro” para uma empresa.

Além disso, a Lei das Sociedades Anônimas trouxe mudanças para a abertura de ações. Antes de sua implementação, emitiam-se 2/3 de ações PNs. Atualmente, permiti-se emitir apenas uma PN para cada ON. Essa regra, entretanto, não se aplica às empresas que possuíam o capital aberto antes da chegada dessa lei. Por isso, permanecem sujeitas à legislação anterior.

Qual dessas ações devo escolher?

Agora que você já entendeu as diferenças entre as ações ordinárias e as ações preferenciais, é só analisar qual delas corresponde ao seu perfil de investidor.

De forma geral, as ONs são a melhor escolha pois você tem a possibilidade de comprar com os controladores da empresa. Contudo, você precisa de entender como funciona a corporação na qual deseja investir.

Para alguns casos, as ações preferenciais também podem ser interessantes por sua liquidez – o que as torna negociáveis em bolsas de valores.

Entenda os seus objetivos financeiros e consulte um assessor de investimentos para te ajudar a decidir qual delas é a melhor opção para você.

Você gosta de assuntos relacionados ao mercado financeiro?

Então, não deixe de conferir o nosso glossário e outros artigos que publicamos aqui no blogue!